#3 PHPapo – Rafael Dohms

Rafael Dohms

“Rafael Dohms é desenvolvedor, palestrante e contribuidor do PHP. Um brasileiro infiltrado em Amsterdam onde rapidamente continuou seu trabalho com a comunidade e fundou o AmsterdamPHP. Atualmente trabalha com a empresa WEBclusive em soluções de Crowd Funding e no seu tempo livre contribui com projetos e salva o mundo diariamente no seu Xbox. Seu passado inclui projetos como o PHPSP e o PHPSPCast.”

O que você teve mais dificuldade de aprender a fazer com/no php?

Eu sempre tive dificuldades com Design Patterns, mas isso não é só PHP. Mas uma das coisas mais difíceis foi aprender a ler o código C por trás do PHP, tive de aprender isto para ajudar pessoas com os eventos “testfest” e demorou um tempo para me acostumar com essa estrutura.

Como os profissionais php do Brasil são vistos lá fora?

Infelizmente o Brasil enquanto potência de programadores PHP não é muito visto, bem ou mal. Ao longo dos anos tenho feito questão de participar de eventos aqui fora e de promover o Brasil e os programadores de destaque que temos. Os que conhecem o Brazil e seus programadores sempre ressaltam a criatividade brasileira, e a eficiência de entregar as coisas com maior rapidez.

Notei muito isto quando trabalhava em uma empresa internacional em São Paulo, pelo que era esperado de nossa equipe e da equipe da Africa do Sul.

Com o tempo a comunidade sabe que existe uma grande presença brasileira no mercado PHP, mas precisamos conquistar este espaço de forma mais efetiva, infelizmente muitos dos grandes desenvolvedores brasileiros apenas focam em gerar material em português, que simplesmente é ignorado pelo resto do mundo.

Qual IDE você costuma usar?

PHPStorm, sou usuário e garoto propaganda voluntário. Troquei do NetBeans para ele ano passado e nunca olhei para trás, a IDE é muito rápida, bem acabada e cheia de pequenas vantagens e ferramentas. Adicione o plugin para Symfony e é simplesmente perfeita.

O que é essencial para um programador PHP?

Pró-atividade. Todo desenvolvedor deve ter fome de conhecimento e correr atrás desse conhecimento, lendo e criando conteúdo, praticando e contribuindo. Projetos pessoais, projetos open source, se o programador não esta constantemente fazendo parte deste mundo ele fica para trás e isso reflete muito na “contratabilidade” dele.

Seja pró-ativo e corra atrás.

Quais passos necessários para criar uma carreira de sucesso?

Costumo dar uma palestra sobre este assunto, que por sinal é uma das minhas favoritas. Estou escrevendo ela em formato de blog posts inclusive. Mas eu digo que uma carreira de sucesso depende de 3 pilares: Conhecimento, Marketing pessoal e Networking. Aprenda sempre, não pare, divulgue o seu trabalho (open source, blog, artigos..), e sempre conheça novas pessoas em geral são as 3 coisas que recomendo.

O que você sente falta no php?

Não diria que exatamente falta, mas podíamos melhorar algumas coisas ainda. O processo de release, como o “core” encara mudanças e coisas assim, poderiam esta mais em sintonia com o público em geral.

Quais técnicas/ferramentas/boas práticas que ainda não chegaram ao Brasil?

Generalizando poderia achar muitas, mas dentro das comunidades, dos programadores que se interessam por se aprimorar não consigo identificar nada gritante. Uma coisa que percebo é mais sobre comunidade, o Brasil não tem reuniões de grupos de usuários tão frequentemente quanto aqui fora, e falta investimento de empresas em seus funcionários.

Aqui a maioria esmagadora das empresas paga para enviar programadores para conferencias.

Livros que você indica?

Tenho achado muito interessante os livros do Grumpy Programmer, o Chris Hartjes (https://leanpub.com/u/chartjes) e vejo alguns livros muito bons vindo como os da Lorna Jane (http://www.oreillynet.com/pub/au/5174).

Um projeto PHP que você aprecia?

São muitos. Hoje sou grande contribuidor do ProTalk e do Joind.in, dois projetos que começaram de uma necessidade da comunidade e hoje são grandes atores em todas a Hackathons que participo.

Quais as 3 funções do PHP que você usa com frequência?

Vixi, essa é difícil. Com certeza o var_dump é bem comum, o get_class tb é freqüente quando uso frameworks. Mas acho que as funções array_* ainda são as mais usadas.

O que ainda falta no PHP?

Quem determina isso é a própria comunidade. No Wiki do PHP existem algumas propostas e discussões sobre novos recursos da linguagem: https://wiki.php.net/rfc/

Eu particularmente gosto do PHP do jeito que ele é. O próprio criador do PHP disse uma vez: “Existem dois tipos de linguagem: as que ninguém usa e as que todo mundo reclama”.

Por que não publica mais artigos em seu blog? Atualmente prefere outro meio de interação?

Simples falta de tempo mesmo, publico de vez em quando e sempre prometo que vou escrever mais, mas tenho focado mais em cuidar do grupo de usuários e de publicar bibliotecas, com isso o blog ficou abandonado, mas tenho coisas a caminho.

Também tenho publicado muito artigos em revistas como a php|architect, e estes eventualmente vão aparecer no blog no futuro.

O que faz de um profissional bom ou ruim?

Seus próprios limites. Um profissional PHP que só “faz” PHP das 9 as 5 (horário comercial americano) e não pesquisa, coda no seu tempo livre tem pouco acesso a novidades e muitas vezes esta travado em um quadrado criativo, fazendo sempre as mesmas coisas e os mesmo erros o tempo todo.

Sua visão sobre preconceitos com php dentro e fora do país.

O PHP sempre carrega este “estigma” de ser uma linguagem de pouca qualidade, mas como o Ramus disse ao ser perguntado se “Devemos nos preocupar com isso?”: “Não, representamos 78% da internet”. O preconceito é simplesmente falta de informação, um “nivelar por baixo”, porém código feio e não seguro existe pra todo lado, veja o Rails ultimamente e quantos problemas foram encontrados.

A grande realidade é que empresas não tem muito o que se preocupar com isso, devem acreditar em seus desenvolvedores e deixar que estes escolham a melhor solução que pode até ser PHP mais alguma outra coisa como python e ruby.

O PHP permite que sejamos excelentes desenvolvedores, mas não previne outros de serem simplesmente “desenvolvedores”, escolha seus programadores bem a culpa é deles e não da linguagem.

Um erro de muitos profissionais?

Não participar de comunidades. Ser parte da comunidade é a melhor forma de sempre estar por dentro de novidades e de aprender novas soluções para os problemas. Ser parte da comunidade é sempre saber quem pode responder uma pergunta ou recomendar alguma ferramenta, este tipo de beneficio é muito importante, sempre digo “Você não precisa saber tudo, mas deve saber quem sabe”.

Um erro que você comete com frequência?

Xii… eu não consigo digitar “fields”, sempre sai “fileds”, isso é chato e também acontece com “funding” que vira “founding”, isso é um problema pois trabalho com sistemas de “crowd-funding”.

Mas falando sério, errar é parte do processo, já cansei de resolver problemas de uma forma e 2 semanas depois re-escrever tudo pois conheci novos aspectos do problema.